Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Defesas > Debatendo as questões raciais no Congresso brasileiro: construção de alteridade a partir do Estatuto da Igualdade Racial
Início do conteúdo da página

Debatendo as questões raciais no Congresso brasileiro: construção de alteridade a partir do Estatuto da Igualdade Racial

Última atualização em Segunda, 23 de Maio de 2022, 14h03 | Acessos: 62

A coordenação do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-raciais tem a satisfação de convidá-lo para assistir à

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

 COM O TÍTULO

"Debatendo as questões raciais no Congresso brasileiro: construção de alteridade a partir do Estatuto da Igualdade Racial"

Por: Saulo Araújo Marques dos Santos

 

Resumo:

Diante da conjuntura em que acontece o debate político no Brasil, é necessário que se tenha conhecimento dos processos que exigem o entendimento do que é dito por atores sociais que ocupam lugares de relevância em instituições detentoras da prerrogativa de definir o que será imposto à vida dos cidadãos de forma direta. Nesse sentido, entendemos ser relevante recorrer a estudos da linguagem que considerem a produção dos enunciados e seus efeitos na vida social. Uma das questões fundamentais para a sociedade brasileira na atualidade e que passa, inevitavelmente, pelo filtro das decisões políticas são as relações étnico-raciais. Dentro desse debate, opiniões diversas são explanadas de forma a defender posicionamentos, contestar outros e caracterizar indivíduos dentre outras estratégias discursivas de modo que, ao fim, são construídas idealizações de si e do outro. Tendo isso em vista, esta dissertação pretende analisar a formação de identidade e alteridade em pronunciamentos parlamentares de enunciados com posicionamento contrário às cotas raciais e ao Estatuto da igualdade racial assim como este processo discursivo corresponde à sistemática dominação étnico-racial que opera no Brasil. Para isso, tomamos como base teórica as postulações sobre linguagem, dialogismo e discurso de BAKHTIN (1979), sobre a Análise de discurso, ethos discursivo e alteridade de acordo com MAINGUENEAU (2004) e o conceito de linguagem-intervenção com ROCHA (2004). Sobre as relações étnico-raciais: abordaremos a raça, o racismo estrutural, a necropolítica e o branqueamento nos apoiando em HALL (2006), ALMEIDA (2018), MBEMBE (2016) e BENTO (2002) respectivamente. O corpus é constituído por enunciados produzidos em um evento político específico: a Comissão Geral para Debate sobre o Estatuto da Igualdade Racial, realizado em 2007 na Câmara dos deputados. Na ocasião, estiveram presentes deputados federais de diversos partidos, assim como representantes de movimentos sociais relacionados e/ou interessados no tema. A escolha por esse recorte analítico categoriza sua abordagem como qualitativa e exploratória quanto ao seu objetivo SEVERINO (2007). Essa pesquisa se mostra relevante visto que, regularmente, as conquistas alcançadas pela população negra no âmbito social são questionadas quanto a sua validade dentro de um regime democrático sob argumentos que convergem para a manutenção de privilégios do grupo racialmente hegemônico e negam a existência de uma opressão racial que é evidenciada pela história, inclusive, em práticas do próprio Estado. 

Palavras-chave: Raça, racismo, discurso, alteridade.  

 

Banca Examinadora composta pelos/as Doutores/as:

 

Maria Cristina Giorgi (Orientadora - PPRER-CEFET/RJ)  

Fabio Sampaio de Almeida (Coorientador - PPRER-CEFET/RJ) 

Mario Luiz de Souza (Examinador interno - PPRER-CEFET/RJ) 

Dayala Paiva de Medeiros Vargens (Examinadora externa - UFF) 

 

Local, Data e Horário

Plataforma Zoom

Link: https://us02web.zoom.us/j/85773610991?pwd=ck54ZHVBTzREWFNLR1AzejRxMGVKdz09

Meeting ID: 857 7361 0991 Passcode: 368815

. 25 de maio de 2022.
. 14 horas.

Fim do conteúdo da página