Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Defesas > Política de ações afirmativas: reflexões sobre a inclusão e mobilidade social a partir de trajetórias de mulheres negras trabalhadoras da carreira Técnico Administrativo em Educação - TAE
Início do conteúdo da página

Política de ações afirmativas: reflexões sobre a inclusão e mobilidade social a partir de trajetórias de mulheres negras trabalhadoras da carreira Técnico Administrativo em Educação - TAE

Última atualização em Quinta, 03 de Março de 2022, 14h23 | Acessos: 110

A coordenação do Programa de Pós-Graduação em Relações Étnico-raciais tem a satisfação de convidá-lo para assistir à

DEFESA DE DISSERTAÇÃO

 COM O TÍTULO

"Política de ações afirmativas: reflexões sobre a inclusão e mobilidade social a partir de trajetórias de mulheres negras trabalhadoras da carreira Técnico Administrativo em Educação - TAE”

Por: Cristina Aparecida Pimenta dos Santos

 

Resumo: 

A presente pesquisa buscou realizar o monitoramento da Política de Ação Afirmativa a partir da trajetória das mulheres negras que ingressaram no serviço público - nos cargos da carreira de Técnico Administrativo em Educação – TAE –, da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG -  sem cotas e por cotas raciais. Para isso, foram apresentas reflexões, a partir da associação das categorias raça, gênero e classe, acerca das concepções de ideologia, racismo, ideologia racista e racismo patriarcal, bem como das sequelas deixadas na população negra, sobretudo nas mulheres negras, no campo psíquico e no âmbito socioeconômico. Com efeito, buscou-se demonstrar o quanto o racismo e a ideologia racista são funcionais ao capitalismo e certamente são eles um dos responsáveis por ditar o “perfil” do grupo que ocupa determinados postos de trabalho, que executa determinadas tarefas, que tem acesso a determinadas oportunidade e que recebe determinados valores de salários, e isso independe da natureza da instituição (privada ou pública). Essa situação se agrava com a intersecção de raça, gênero e classe, que expõe as mulheres negras – que carregam, no corpo, os marcadores sociais raça e gênero – em espaços vazios onde pode imperar a invisibilidade e a contradição, deixada pela opressão fundamentada na raça e no gênero. Diante disso, a inclusão e mobilidade social foram apresentadas como indicadores da pesquisa, a partir da percepção e vivência de mulheres negras ocupantes de cargos da carreira TAEs – cotistas e não cotistas. Os paradigmas epistemológicos que fundamentaram a pesquisa foram o pensamento fundamentado em Karl Marx e Pierre Bourdieu e a Teoria Crítica da Raça. A interseccionalidade e a escrevivência foram utilizadas como ferramenta conceitual e metodológica - herdada de pensamento de mulheres negras. O estudo se fundamentou em duas fases: a pesquisa bibliográfica e documental e a pesquisa de campo. Na pesquisa de campo, foram entrevistadas nove mulheres negras ocupantes de cargos da carreira TAEs.  Constou-se que, após a aplicação da Lei de Cotas no serviço público, pouca coisa mudou no contexto da universidade. No entanto, o ingresso no serviço público por intermédio das cotas possibilitou uma mobilidade social ascendente. Isso ocorre em função das garantias que o serviço público proporciona aos servidores públicos, como, por exemplo, a garantia de estabilidade. Paralelamente a dinâmica institucional, reproduz a dinâmica estrutural – opressão por raça, gênero e classe -  associada à relação saber- fazer e ao engessamento da estrutura vertical hierárquica. A intensidade de interferências desta dinâmica estrutural pode variar segundo campus, unidades de ensino e setores/diretoria que, de forma geral, e isso pode não garantir a inclusão, mas inserção destas trabalhadoras negras na instituição, pois, nas relações de poder, existem barreiras invisíveis que restringem a circulação de oportunidades.

  

Banca Examinadora composta pelas Doutoras e Doutores:

Mário Luiz de Souza (Orientador – PPRER-CEFET/RJ)

Yone Maria Gonzaga (Examinadora externa - FLASCO/Brasil)

Rodrigo Ednilson de Jesus (Examinador externo - UFMG)

Dyego de Oliveira Arruda (Examinador interno - PPRER-CEFET/RJ)

 

 

Local, Data e Horário

Plataforma Microsoft Teams

Link: 

https://teams.microsoft.com/l/meetup-join/19%3ameeting_MmZkYTEyNjctNDc0MC00ZDk5LWJhY2MtOTMzMTAyZTMyOGI4%40thread.v2/0?context=%7b%22Tid%22%3a%228eeca404-a47d-4555-a2d4-0f3619041c9c%22%2c%22Oid%22%3a%22f1fd5957-9dfc-4d0a-bc34-4dc71f11099b%22%7d

. 14 de fevereiro de 2022.
. 14 horas.

Fim do conteúdo da página