Dissertações e produtos - PPECM

DocumentosData de inclusão

Ordenar por : Nome | Data | Acessos [ Descendente ]
(Alexandre Medson da Silva - Marco Antônio Barbosa Braga) Esta dissertação tem o objetivo de detalhar as ações desenvolvidas durante a implantação de um centro de Divulgação Científica (DC) em um ambiente formal, a escola. Todo o trabalho foi desenvolvido junto aos alunos de uma escola estadual da Baixada Fluminense, região da periferia do Estado do Rio de Janeiro, e tem como objetivo aproximar as práticas de DC desta localidade que se mostra carente neste ponto. A inserção de um Centro de Ciências no interior da escola foi o ponto culminante deste trabalho. Sua montagem foi realizada com experimentos elaborados por alunos do curso noturno de Ensino Médio, nas modalidades, Regular e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Os impactos da realização do projeto foram mensurados pela procura à visitação do centro de ciências bem como pelos depoimentos dos visitantes.
(RAQUEL COSTA DA SILVA NASCIMENTO - Alvaro Chrispino) Este trabalho é um Estudo de Caso baseado em uma análise comparativa entre duas turmas do 8º ano, nas quais buscamos verificar a influência de três fatores que são considerados relevantes para o sucesso escolar com relação ao aprendizado da matemática. Esses fatores são: a participação dos pais, a prática de exercícios de casa e o clima da sala de aula. Observamos os impactos entre a aplicação desses três fatores comparando-os a uma aula tradicional e, além disso, propusemos um roteiro de atividades aplicadas que podem tornar a aprendizagem mais eficiente.
(AMARO JOSÉ DA SILVA FILHO - Alvaro Chrispino) Evidencia as influências de entes físicos durante práticas desportivas dos Jogos Olímpicos de Verão da Era Moderna, de 1896 a 2008, ápices dos desportos de alto rendimento, e constata as inter-relações das provas atléticas com os fenômenos físicos locais. Por meio do Atletismo, demonstra-se a importância da ―Física Aplicada ao Desporto‖ enquanto disciplina exclusiva em propósito. E investigam-se, na pressuposição do interesse acadêmico das Instituições de Ensino Superior pelos investimentos oriundos das Políticas Públicas vigentes para os desportos de alto rendimento e/ou educacionais, quais subsídios os Cursos ou Habilitações de Educação Física e Desportos, localizados no Estado do Rio de Janeiro, concedem aos respectivos currículos, de modo a favorecer ingressos/egressos à graduação ou pós-graduação na busca da melhoria dos índices de seus atletas, enquanto professores, técnicos e fomentadores de talentos nacionais.
(Hebert Roberto Araújo da Silva - Andréia Guerra de Moraes) A presente dissertação visa a introdução de Física Moderna (FM) no Ensino Médio (EM). A revisão bibliográfica permitiu demarcar três fases: a fase de defesa pela abordagem, a fase de transição e a fase atual de experiências didáticas. Nessas fases foram apontados obstáculos e propostas didáticas referentes à introdução de FM no EM. Os autores optaram pela abordagem histórico-filosófica do tema espectroscopia. Através desse tema foi possível estabelecer o conflito entre a visão contínua e a visão descontínua da estrutura da matéria no início do século XX. A produção da proposta pedagógica buscou privilegiar a contextualização do trabalho científico levando aos alunos à relação que há entre os diferentes contextos político, social, artístico, científico; promover um processo bilateral, dialógico, com o corpo discente; complementar o estudo de modelo atômico realizado nas aulas de Química do EM; criar uma interlocução entre as disciplinas apresentadas aos alunos de forma estanque e discutir questões acerca da Natureza da Ciência. Porém, o uso da HFC também apresenta obstáculos. Dessa forma, para contornar os obstáculos apontados pelas pesquisas foi criado o produto composto por textos produzidos pelo professor, por um manual para construção de um espectroscópio de baixo custo, pela realização de experimentos, pela utilização de imagens e vídeos, por um debate sobre os conceitos de contínuo e descontínuo e pela criação de questões de avaliação. A aplicação da proposta ocorreu em uma turma do 3º ano do EM de uma escola da rede pública federal de ensino localizada na cidade do Rio de Janeiro. Os instrumentos utilizados para avaliação da viabilidade da proposta de inserção de FM no EM através do uso da HFC foram a gravação audiovisual das aulas, a produção de um diário de aulas, as avaliações formais, a análise de alguns registros escritos e de uma peça teatral elaborada pelos alunos. Após a aplicação da proposta e da avaliação e contorno dos obstáculos, consideramos que a proposta contribuiu para tornar efetiva a presença de temas de FM no EM.
(ELAINA ALVES SARAIVA - Samuel Jurkiewicz) O corpo discente da educação básica encontra atualmente em seu cotidiano diversos meios atrativos que fazem o ambiente escolar parecer obsoleto. Com a rápida evolução dos aparatos eletrônicos, o uso do computador em sala de aula é um assunto presente nas pesquisas sobre educação escolar. Este trabalho tem como objeto o estudo das funções do primeiro e segundo grau através das planilhas eletrônicas por alunos do ensino secundário. Esse conteúdo é considerado difícil por muitos alunos e mesmo por alguns professores. O uso das planilhas eletrônicas para motivar a aproximação e o desenvolvimento das habilidades neste assunto é uma alternativa possível onde haja um laboratório informática. O método utilizado foi o uso de fichas individuais para instrução sobre o uso das planilhas. Uma parte do trabalho se realizou em aulas na sala de informática, onde o aluno manuseava as planilhas eletrônicas e suas ferramentas básicas como confeccionar tabelas e gráficos e respondia a perguntas investigativas e reflexivas sobre funções do primeiro e segundo graus. Em seguida os alunos responderam fichas avaliativas com perguntas já realizadas ou não na sala de informática para compreender e concretizar o seu conhecimento sobre o assunto. Apenas após este processo os conceitos matemáticos foram formalizados com os alunos.
(FÁBIO GARCIA BERNARDO - Sérgio Eduardo Silva DuA sociedade vem sofrendo inúmeras transformações ao longo dos últimos anos e a Escola não pode ficar parada no tempo, com o mesmo modelo de 50 anos atrás. O Brasil tornou-se um país de referência e não é mais visto como um País atrasado e taxado como subdesenvolvido. Os índices educacionais ainda não são favoráveis, quando comparados aos países ditos desenvolvidos, mas nota-se aqui um grande número de medidas e ações governamentais em prol dessa esperada mudança. Nesse sentido, professores, gestores e toda equipe escolar precisam caminhar juntos para implementar essas transformações de âmbito educacional . Este trabalho tem como objetivo, propor uma abordagem diferenciada daquela dita tradicional, com quadro negro e aulas expositivas se inserindo assim nessa proposta de mudanças. O estudo de funções e suas representações geométricas são fundamentais para os que os alunos desenvolvam habilidades relacionadas à representação, compreensão, comunicação, investigação e, também, à contextualização sociocultural. Assim, o trabalho tem por objetivo, explorar os gráficos de funções com auxílio de computadores e do software geogebra, além de propor uma abordagem com experimentos físicos, fazendo assim uma clara conexão com conteúdos abordados na disciplina de física e comuns ao seu dia a dia. Uma parte do trabalho foi realizada com alunos do segundo ano do Ensino Médio e a outra parte com alunos do nono ano do Ensino Fundamental. Essas atividades foram feitas nos laboratórios de informática e física das escolas e ao término das mesmas, os alunos foram desafiados com atividades investigativas e reflexivas sobre o conteúdo de funções. Somente após essa abordagem os conteúdos foram formalizados na sala de aula.arte)
(ENOQUE RINALDI DUQUE - Andréia Guerra de Moraes) O presente trabalho consiste em caracterizar os conhecimentos prévios dos alunos sobre as ondas eletromagnéticas, através de um pré-teste, provocar discussões históricofilosóficas durante os encontros, desenvolver técnicas de montagens e apresentar conceitos sobre o tema central. Para alcançar estes objetivos dez oficinas foram realizadas. As atividades foram investigativas, laboratório não estruturado. O trabalho foi inserido dentro de um projeto de iniciação científica desenvolvido no colégio Granbery. Buscou-se verificar se esta metodologia produziu mudanças significativas nos conhecimentos adquiridos pelos alunos. Os resultados obtidos permitem concluir que ocorreram mudanças positivas nas atitudes dos alunos, eles mostraram-se muito interessados pelo trabalho, foram muito questionadores, desenvolveram a informalidade no decorrer da pesquisa e demonstraram ter adquiridos os conceitos básicos para compreensão das ondas eletromagnéticas. Isto foi avaliado pela apresentação feita no final do trabalho de pesquisa.
(MARLON CESAR DE ALCANTARA - Marco Antonio Barbosa Braga) Um dos grandes desafios para a educação do século XXI é tornar a escola e o próprio conhecimento escolar atrativos e dinâmicos. Podemos ver que a estrutura escolar e até mesmo a divisão e não comunicação das disciplinas tem sido uma barreira a ser rompida na construção de um modelo dinâmico de ensino. Essa divisão reflete o projeto cartesiano, o qual preconizava que o entendimento do todo complexo deveria ser feito através de suas partes mais simples. Essa divisão em que o todo se construía por meio da soma das partes, além de desmotivadora, tem levado os alunos a uma compreensão distorcida do mundo e da natureza da ciência. A linearidade do conhecimento vem sendo questionada por vários autores que defendem uma nova postura frente ao conhecer. O Pensamento Complexo, nascido na teoria da informação nos anos 1960 do século XX, foi absorvido mais recentemente pelas ciências sociais. Esse pensamento entrou nas discussões educacionais e foi apontado para a construção de um currículo não fragmentado, mas desenvolvido a partir de uma rede de conhecimentos em que a História e Filosofia da Ciência, como área multidisciplinar, pode dar uma significativa colaboração a esta construção. Este trabalho pretende descrever como uma abordagem, através de um módulo para o ensino dos instrumentos óticos com um enredo complexo, pode resultar em um ensino menos desconectado e mais motivador. A escolha do tema, sobretudo da forma com que ele deveria ser apresentado aos alunos, foi determinante para o sucesso deste trabalho. Entre os conteúdos que devem ser apresentados em sala de aula, escolhemos o século XVII, dada a sua grande diversidade de eventos históricos ligados às ciências, às artes, às conquistas territoriais e à religião. Para limitarmos um pouco nossa perspectiva de trabalho, escolhemos a região que hoje conhecemos como Holanda. Naquele período, tal região poderia ser considerada um refúgio de liberdade do pensamento europeu. Importantes pensadores do século XVII, que produziram filosofias originais como Descartes, Espinosa ou Locke, viveram nessa região a totalidade ou parte de suas vidas. Outros a visitaram constantemente, como Leibniz. O processo de compreensão da rede de conhecimentos desenvolvida na Holanda do século XVII tem um polo dinamizador na pessoa de Constantijn Huygens. Secretário do príncipe de Orange e pai do físico Christiaan Huygens, Constantijn era uma das maiores referências culturais da Holanda e mantinha um círculo de relações no qual trocava conhecimentos. Dentre eles, seu filho, o físico Christiaan Huygens, o microscopista Leeuwenhoek, o pintor Johannes Vermeer, o filósofo Baruch Spinoza e o filósofo francês, René Descartes. Moradores da região de Haia e, à exceção de Constantijn, todos tiveram formação como polidores de lentes e entendiam os princípios da ótica. Dentro deste cenário, mostraremos que, além de possível, é bastante motivadora e importante a construção de módulos complexos para a aplicação no ensino de ciências.
(THIAGO DA SILVA PERON - Andréia Guerra de Moraes) O interesse pela produção científica do século XX é evidente e vem aumentando consideravelmente nas últimas décadas. No Brasil, encontram-se revistas, programas televisivos de ficção ou documentários, livros e até mesmo jogos que exploram os conceitos científicos mais atuais. Neste cenário, a Física Moderna e Contemporânea (FMC) torna-se objeto de interesse do público com idade escolar. Não obstante, órgãos nacionais e internacionais responsáveis por nortearem a educação, argumentam a favor de um ensino de Física mais atual, o qual não implique no detrimento do ensino da Física Clássica. Neste caminho, no Brasil, o ensino da FMC foi regulamentado e, assim, trabalhado no terceiro ano do Ensino Médio. Contudo, a inclusão deste tópico não veio acompanhada de alguma reestruturação curricular da disciplina, o que acarretou em um ensino de FMC muito breve. Este trabalho apresenta, então, a descrição de um curso de Teoria da Relatividade Restrita (TRR) no primeiro ano do Ensino Médio, como conteúdo que encerraria o estudo dos movimentos na mecânica. A proposta surgiu do interesse em difundir os conteúdos de FMC em todo o Ensino Médio, correlacionando-os com os conceitos da Física Clássica. Ademais, acreditava-se que o estudo de uma Física atualizada auxiliaria na vinculação da ciência com o cotidiano do aluno, em diversas áreas. Sabia-se, entretanto, que um estudo da TRR de forma tradicional, focado nas equações como caminho para compreender a teoria e suas aplicações, não seria adequado para os alunos de primeiro ano. O desafio apresentado era o de ensinar-se a TRR, trabalhando os pré-requisitos da teoria, vinculando-a a Mecânica e contextualizando a TRR com o cotidiano do aluno, sem comprometer o currículo escolar. Dessa forma planejou-se a inserção do curso citado a partir de uma abordagem histórico-filosófica da teoria e de seus pré-requisitos, principalmente ao estudo da definição de espaço. Apresentamos neste trabalho, ainda, os resultados de uma pesquisa que visava avaliar o curso em questão. A análise deu-se em respeito à compreensão da TRR pelos alunos e na correlação da teoria, e de Albert Einstein, com manifestações artísticas, tecnológicas, científicas e sociais. Procurou-se também, verificar se a HFC possibilitou não só a compreensão da TRR, mas também possibilitou discutir seus pré-requisitos, despertar o interesse dos alunos e relacionar a história da ciência com a própria História. Finalmente, o uso da HFC em sala de aula proporcionou a oportunidade de trabalhar-se elementos de Natureza da Ciência com os estudantes.  
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 Próximo > Fim >>
JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL