DIPPG
CEFET/RJ - Av. Maracanã 229,
Bloco E, 5º andar, Maracanã,
20271-110, Rio de Janeiro, RJ
Brasil

+55 21 2566-3179
+55 21 2569-4495 (Fax: r.201)

dippg@cefet-rj.br

Linhas de Pesquisa

 

O PPFEN possui três linhas de pesquisa:


Teoria e Prática do Ensino de Filosofia:

Descrição:

Se Filosofia é uma atividade reflexiva, ensinar Filosofia também deve ser uma atividade reflexiva. Isto significa que o professor de Filosofia deve pesquisar tanto problemas clássicos para a Filosofia (e aspectos da História da Filosofia), quanto problemas relativos ao seu ensino.

Dessa maneira, fica claro que o professor de Filosofia deve se dedicar tanto às questões do ensino, pois isso concerne à sua atividade profissional, quanto às questões próprias à história da Filosofia, pois isso lhe concerne enquanto Filósofo. No aprofundamento da formação de professores de Filosofia, é preciso incentivar a sólida formação nesses dois eixos: História da Filosofia e Ensino de Filosofia.

Esta linha de pesquisa pretende, propor projetos educacionais e discutir tópicos concernentes à história do ensino de filosofia no Brasil e em outros países; concernentes à  presença da Filosofia nos diversos sistemas escolares nacionais; concernentes às abordagens teóricas, filosóficas e pedagógicas, sobre o ensino de filosofia e sobre a filosofia como disciplina escolar;  concernentes ao o  currículo em filosofia, às concepções sobre o ensino (por problemas, por conceitos, por temas e pela história da disciplina), seus objetivos, sua realização e estratégias didático-pedagógicas e de avaliação.


Projetos de pesquisa vinculados: Arte, Filosofia e Ensino (participam os professores: Luís César Fernandes de Oliveira e Eduardo Giglio Gatto); Ensino de Filosofia no Brasil – História, Teorias e Métodos (participam os professores: Edgar de Brito Lyra Netto, Felipe Gonçalves Pinto, Filipe Ceppas Carvalho e Faria, Marcelo Senna Guimarães, Renato Nogueira dos Santos Junior); Produção e Avaliação de Material Didático em Ensino de Filosofia (participam os professores: Taís Silva Pereira, Rafael Mello Barbosa, João André Fernandes da Silva e Roberto César Zarco Câmara).


Questões Políticas, Sociais e Culturais Envolvidas no Ensino de Filosofia:

Descrição:

O professor de Filosofia é um profissional que está inserido em um contexto político e social do qual ele não pode simplesmente desviar sua atenção sob pena de acabar se encontrando em sérias dificuldades de lidar com a reformulação do seu conhecimento, com o seu público/ auditório (sobretudo no caso do ensino secundário), com o currículo que se espera que ele ministre e com a instituição em que leciona. Não é incomum que tais profissionais acabem se isolando e sendo isolados da vida escolar, apesar de terem muito que contribuir para as relações éticas e políticas deste mesmo ambiente, além de ser-lhes inerente o diálogo direto com outras ciências. Esta linha de pesquisa pretende propor projetos educacionais e discutir questões concernentes à inserção do profissional de Filosofia na instituição escolar enquanto professor, pesquisador e agente político.


Projetos de pesquisa vinculados: Discurso de Sala de Aula e a Formação do Professor-Pesquisador (participam os professores: Talita de Oliveira, Maria Cristina Giorgi, Fabio Sampaio de Almeida e Maicon Jeferson da Costa Azevedo); Pensamento Político Brasileiro Contemporâneo (participam os professores: Nara Maria Carlos de Saldanha e Antonio Maurício Castanheira das Neves).


História da Filosofia para o Ensino de Filosofia

Descrição:

Se a Filosofia é a prática da atividade teórica, então o seu ensino envolve, por um lado (dos estudantes), aprender tal prática e, por outro lado (dos professores), não deixar de praticá-la. De outra maneira, ainda que seja possível fazer Filosofia sem ensinar Filosofia, não é possível ensinar Filosofia sem fazer Filosofia. Paulo Freire assinala que “não há ensino sem pesquisa” (Pedagogia da Autonomia, 1996, p.15); o professor deve ser igualmente um pesquisador. A reunião destes dois itens, ensino e pesquisa, que pode soar como índice de qualidade em algumas disciplinas, é absolutamente necessária em Filosofia, de tal maneira que o primeiro não seria sem o exercício do segundo. Além de expedientes didáticos e pedagógicos para que o professor possa conseguir levar para perto dos estudantes temas tão abstratos quantos os trabalhado pela Filosofia, para que ele possa pensar de maneira autônoma em métodos e instrumentos pedagógicos adequados para ensinar tal assunto a tal grupo, é preciso que o professor conheça em profundidade os assuntos a ensinar ou que seja capaz de neles se aprofundar suficientemente. O professor de Filosofia terá uma fala vazia caso não tenha ele mesmo refletido e experimentado as questões sobre as quais vai tratar, e nenhum recurso pedagógico poderá remediar esse afastamento.

Esta linha de pesquisa pretende, em consideração com necessidades dos diversos níveis de ensino, produzir projetos educacionais e investigar questões fundamentais concernentes à História da Filosofia segundo diferentes temas: ontologia, epistemologia, lógica, ética, estética...


Projetos de pesquisa vinculados: Os desafios de pensar e fazer política hoje (participam os professores: Filipe Ceppas Carvalho e Faria, Renato Nogueira dos Santos Junior e Taís Silva Pereira); Metafísica: problemas e limites (participam os professores: Edgar de Brito Lyra Netto, Felipe Gonçalves Pinto, Eduardo Giglio Gatto, João André Fernandes da Silva, Rafael Mello Barbosa, Roberto Cesar Zarco Câmara e Thomaz Estrella Bettencourt).